RSS

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Duas formas de se encarar o amor e a vida

O amor é como uma grande partida de futebol
Imaginemos um clássico...
Haverá um estádio que será o palco deste grande episódio, os jogadores e suas respectivas torcidas...
Ah... Os jogadores... Esses são aqueles que se lançam no campo; sem medo eles estão ali para dar o melhor de si.
O final de cada partida sempre será imprevisível, mas eles são brahmeiros guerreiros e como tal estão ali para apostar, arriscar, se doar, viver cada momento e cada emoção como se fosse a ultima partida de suas vidas, cada qual dando o melhor de si, não há espaço para medo nem hesitação, eles são aqueles que lutam com garra e acreditam na vitória até o ultimo minuto do segundo tempo.
Mas há também a torcida, sim, esses formam a platéia desse grande espetáculo e como tais eles vibram a cada jogada bem sucedida, cantam, gritam, pulam, fazem o estádio tremer... Eles são aqueles que aplaudem uma boa jogada, mas também são os mesmos que vaiam e tripudiam quando algo da errado.
Esses não têm a coragem de se lançar no campo, mas vivem à observar e teorizar... “Ele devia ter passado a bola pra Fulano”- diz um deles. “Não, ele devia ter posto mais velocidade” – diz outro. E até fazem uma mesa redonda no final de cada partida para discutir onde houve os erros e acertos.
Assim é o amor; existem aqueles que se entregam sem medo ou hesitação, eles apostam e acreditam, vivem cada momento como se fosse o ultimo e existem aqueles que passam suas vidas com receio de se lançar, eles teorizam, vivem como espectadores da vida alheia, planejando, pensando... e esquecem que o amor não se planeja; ele acontece! O amor não se teoriza, se pratica! E um dia para esses o tempo vai passar e eles vão ver que perderam tempo demais...
É fato que muitas das vezes o meu nome esteve em uma dessas mesas redondas da vida... Uns elogiando meus acertos e outros criticando meus erros... Houve até quem dissesse... “Se for pra sofrer assim... eu não quero amar.” Mas quer saber? Enquanto eles perdem o tempo teorizando sobre o amor, eu estou vivendo e estou amando...
Por que o amor não pode esperar!

Suelen Braga

“Se chorei ou se sorri o importante é que emoções eu vivi”
Erasmo Carlos e Roberto Carlos

8 comentários:

Lara Amaral disse...

Obrigada pelo comentário, moça. Seja bem-vinda.

Beijos!

Márcio Vandré disse...

O amor é uma metáfora de tudo.
Ou é o contrário?
Só vivendo para saber disso tudo.
Belo texto!
Um beijo!

Gabriel disse...

É incrivel como você conseguiu reunir em um texto tudo aquilo que eu penso.
Olha Suelen, eu sou completamente apaixonado por uma menina, mas ela é exatamente assim como você descreveu, fica cheia de medos, é medo de se machucar, medo de se iludir, medo deu a magoar sabe? ela não se entrega.

Por que as pessoas tem tanto medo do amor?

Um abraço

Daniel disse...

Suelen, Obrigado pela visita em meu blog e lendo o seu, a sua postagem aliás, vi que essa postagem e a que você comentou em meu blog tem muito em comum, porque estava falando lá justamente sobre o julgamento alheio (e o nosso também já que é difícil não julgar)... E sabe uma coisa que eu não costumo fazer em hipótese alguma, é julgar o relacionamento alheio, porque nunca sabemos o que se passa e sobre o amor não temos controle algum, aliás, sobre muitas coisas.

Gostei muito da sua postagem e pretendo voltar sempre que atualizar, e espero que apareça masi vezes no meu tb.
abs
Daniel

Felipe disse...

Nem preciso comentar porque você sabe o que eu acho sobre seus textos né!?


=*
s2

Grafite disse...

Que lindo aqui, muito mesmo, adorei tudo!!

beiijo, estou seguindo
*.*

Marcelo Novaes disse...

Suelen,




Venhamos e convenhamos: a pontaria dos brahmeiros não pode ser tão boa assim...


[E haja escanteio e lateral!]



;)







Beijo.

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Suelen,
Se tem um violão: tô na roda, então!
Por dizeres do amor, trago-te lá do Canto Geral:

DOCE AMARO AMOR

O amor é a cama onde a alma se deita
E preguiçoso o corpo aproveita
E se ajeita entre cada metade

Geme a fêmea e o macho não dorme
Quem sofre de amor abre seu cofre
Onde esconde a dor e a saudade

Tem gente que ama atrás de felicidade
Tem gente feliz porque ama a tempestade

2º Tempo

O amor é a lama onde o corpo se deita
E carinhosa a alma aproveita
E se ajeita desfeita a maldade

Geme o macho e a fêmea não dorme
Quem sofre de amor abre seu cofre
Onde esconde a dor e a saudade

Tem gente que ama atrás de felicidade
Tem gente feliz porque ama a tempestade

(Pedro Ramúcio)

*

Abraço mineiro,
Pedro Ramúcio.

Postar um comentário